Sobre Leblon

bairro do Leblon

Leblon é um bairro nobre da zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Localiza-se entre a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Oceano Atlântico, o Morro Dois Irmãos e o Canal do Jardim de Alá. O bairro faz divisa com a Gávea, a Lagoa, Ipanema e o Vidigal. Seus habitantes pertencem, majoritariamente, à classe alta, incluindo alguns dos nomes da elite cultural, econômica e política carioca. No entanto, há também moradores de classe média, especialmente aqueles que vivem no bairro há muitos anos, além dos moradores da comunidade da Cruzada São Sebastião. Algumas das suas ruas mais tradicionais são a Avenida Delfim Moreira, Avenida Ataulfo de Paiva, Rua Rainha Guilhermina, Avenida Bartolomeu Mitre e Avenida Afrânio de Mello Franco. Esse bairro, de acordo com o projeto do governo estadual, possuirá uma estação de metrô a ser chamada de Estação Leblon.

O dia do Leblon é comemorado a 26 de julho, pois, nessa data do ano de 1919, foi definida a configuração atual da maior parte de suas ruas.

O bairro abriga a sede do clube de futebol com maior número de torcedores do Brasil, o Clube de Regatas do Flamengo.

Etimologia

Até as últimas décadas do século XIX, era um território arenoso ocupado por algumas chácaras. O francês conhecido por Carlos Leblon, possuidor de uma empresa de pesca de baleias, tinha ali uma dessas chácaras desde 1845, razão pela qual a região ficou sendo conhecida como Campo do Leblon, denominação informal que acabou fixada ao bairro.

História

O primeiro registro escrito sobre a atual região ocupada pelo bairro é um mapa feito por exploradores franceses em 1558. No mapa, a região coincide com a aldeia tamoia de Kariané. Nesse mesmo século, após a vitória dos portugueses sobre os franceses no conflito da França Antártica, o governador português Antônio Salema espalhou roupas infectadas com o vírus da varíola nas matas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, com o propósito de exterminar os índios tamoios que habitavam a região e poder, assim, estabelecer engenhos de cana-de-açúcar na região. Em 1603, Antônio Pacheco Calheiros obteve a posse por enfiteuse (empréstimo) da região, chamada na época de "Costa Brava" ou "Praia Brava". Em 1606, a posse das terras foi passada a Afonso Fernandes.

Em 1609, foi passada a Martim de Sá, governador do Rio de Janeiro. Em 1610, foi passada para Sebastião Fagundes Varela, que passou a utilizar a região como local de pastagem para seu gado. Em 1808, Dona Aldonsa da Silva Rosa comprou as terras. O português Manoel dos Santos Passos comprou-as em 1810. Bernardino José Ribeiro comprou-as em 1844 e vendeu-as no ano seguinte ao empresário francês Carlos Leblon, que montou na região uma empresa de pesca de baleias. Na época, as baleias, em especial as cachalotes, eram muito importantes na economia, pois forneciam óleo usado na construção civil e na iluminação pública. Nesse período, as terras de Leblon passaram a ser conhecidas como Campo do Leblon. A partir de 1854, com a implantação da iluminação a gás pelo Barão de Mauá, o negócio de pesca de baleias entrou em decadência e Leblon vendeu seu terreno para o empresário Francisco Fialho.

Em 1878, Fialho vendeu as suas terras para vários compradores, entre os quais o português José de Guimarães Seixas, que era simpatizante do movimento pela abolição da escravidão e que utilizou as terras para abrigar escravos fugitivos. No início do século XX, a Companhia Construtora Ipanema adquiriu os terrenos, dividiu-os em pequenos lotes com ruas oficiais e, em 26 de julho de 1919, começou a vendê-los a particulares, já com o nome de "Leblon". Em 1920, o prefeito Carlos Sampaio construiu os canais do Jardim de Alá e da Avenida Visconde de Albuquerque.

Economia

Com uma renda média per capita de 54 211,59 reais (segundo o censo de 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Leblon é um dos bairros mais cobiçados da cidade e o que mais valoriza a cada ano. Tem o metro quadrado mais caro do estado do Rio de Janeiro, custando 12 000 reais. Nas áreas próximas à praia, no entanto, esse valor pode chegar a 20 000 reais.

Algumas das causas dessa valorização exorbitante dos imóveis na região foram o projeto urbanístico Rio Cidade na Avenida Ataulfo de Paiva e as Áreas de Proteção ao Ambiente Cultural. Além destes fatores, o déficit habitacional e de transportes, problemas mais graves da cidade, contribuem fortemente nesse aspecto.

Para homenagear a comunidade de moradores deste maravilho bairro, o Encontra Rio de Janeiro criou o Encontra Leblon na Cidade RJ.

Notícias do Leblon

Blog do Guia do Bairro Leblon

Receba notícias por e-mail
Cadastre-se e receba notícias de Leblon por email
 

Limites - Bairros Vizinhos - Zona Sul RJ

Gávea, Lagoa, Ipanema e Vidigal

Dados Principais sobre Leblon

População 46.670 hab.
Renda média -
IDH 0,967 - muito elevado
Subprefeitura Zona Sul
Região Administrativa Lagoa
Área Geográfica Sul

Vídeo sobre o Bairro do Leblon
Veja mais vídeos sobre o Bairro do Leblon

Mapa Leblon - Ver outros: Mapa Rio de Janeiro

 

Moradores ilustres do Leblon

   

  Sobre o EncontraLeblon
Fale com EncontraLeblon
Anuncie no EncontraLeblon
Cadastre sua Empresa no EncontraLeblon (grátis)



Termos EncontraLeblon | Privacidade EncontraLeblon